15 de outubro de 2019 Home | Conte sua história | Cadastre-se | Sobre nós | Fale Conosco | Anuncie aqui
 
 
Voltar para a home do GEx
twitterFacebook    Editorial GEx
pesquisar
 
   
 
Blog do Christian
 
 
Postado em 19/3/2004

Fotografia: Saiba um pouco mais - parte 2

2 - Abertura do diafragma (aperture)

A abertura do diafragma é a variável que defne o diâmetro da abertura do mesmo (analogia: o diâmetro [calibre] do cano). O valor da abertura é definido através de "f/x". Aqui vem um ponto simples, mas que confunde muitos: quanto maior o valor "f/x", menor a abertura do diafragma.

Pergunta: qual diafragma tem maior abertura, um que está a f/2.8 ou um que está a f/8.
Resposta: o que está a f/2.8, uma vez que 2.8 é menor que 8, e quanto menor o valor f/x, maior a abertura, maior o calibre.

E como eu uso isto?

Uma abertura grande (f/x baixo) é geralmente recomendada em situações de pouca luz, assim como um tempo de exposição alto. Apesar disto, nem sempre apenas uma alta abertura é o suficiente para fotos com pouca luz, geralmente precisando ainda assim de um alto tempo de exposição. Porém, a abertura é muito priorizada para se trabalhar com efeitos de profundidade de campo, a distância à frente e atrás do assunto principal em que os elementos ficam em foco. Uma abertura grande prioriza o primeiro plano da imagem, desfocando o segundo. Uma abertura pequena aumenta a profundidade de campo, sem priorizar uma área especificamente. Uma abertura grande é interessante para uma foto de uma pessoa que está em primeiro plano, desfocando o fundo da foto; e uma abertura pequena é interessante para uma paisagem, onde a inteção é que toda a imagem fique em foco.

Exemplo:

Como vocês podem ver, na foto da esquerda, onde a abertura do diafragma foi menor (f/16), toda a foto ficou em foco, tanto a garota em primeiro plano, quanto as flores em segundo plano. Já na segunda foto, onde a abertura do diafragma foi maior, apenas o primeiro plano ficou em foco, enquanto as flores ao fundo ficaram desfocadas.

3 - ISO (sensibilidade)

A terceira e última variável é a ISO. O valor ISO determina a sensibilidade da película, determina o "poder" que a luz tem em suas fotos. Quanto maior o valor do ISO, menor será a quantidade de luz necessária para se obter a exposição correta, e isto pode significar tempos de exposição menores.

E como eu uso isto?

ISO's altos são geralmente recomendados para fotos onde há pouca luz e você não tem uma superfície estável para apoiar sua câmera, impedindo o uso de um alto tempo de exposição. No entanto, a regra geral é usar o menor ISO possível. Isto porque altos valores de ISO geram o chamado "noise". Noise, em tradução semântica, significa "grãos/sujeira", que são pequenos pontos que aparecem em imagens com alto ISO, prejudicando a nitidez das mesmas. Ou seja, se você puder apoiar a câmera em superfíce estável, apele para um tempo de exposição alto, mas se você estiver em uma danceteria, onde além de não poder apoiar a câmera em uma superfície sólida, haverá pessoas se mexendo rapidamente (fazendo com que elas fiquem "borradas", devido ao alto tempo de exposição), o alto valor de ISO é preferido a um alto tempo de exposição.

Apesar de eu não ter citado nada que possa representar o ISO na analogia com o cano de água, aqui vai uma tentativa: Imagine o ISO sendo algumas "barreiras" dentro do cano. Algo como obstáculos internos que apenas dificultam a passagem de água, talvez algumas bolas de pano, que não bloqueiam a passagem de água. A idéia aqui é dizer que quanto mais obstáculos (bolas de pano), mais tempo vai demorar para a água chegar do outro lado do cano - no caso, um ISO menor. Quanto menos obstáculos (ou a remoção de todos), menos tempo vai demorar para a água chegar do outro lado - no caso, um ISO maior. Agora, para analogia com efeito colateral, o noise, imagine que estes obstáculos internos façam a velocidade da água diminuir, fazendo com que ela chegue no recipiente sem pressão, evitando que a água respingue para fora do mesmo, enchendo-o de maneira correta (ISO menor). Agora, se os obstáculos internos forem retirados, a água vai chegar do outro lado com uma velocidade muito maior, com alta pressão, fazendo com que a água respingue para fora do recipiente, apresentando um resultado não tão satisfatório. Bom, espero que vocês tenham entendido o que eu quis dizer, não é fácil fazer analogia de um cano de água com ISO.

Exemplos:

Aqui vocês podem perceber o chamado noise. Na primeira foto foi usado um valor de ISO baixo - ISO 50 - porém o tempo de exposição foi relativamente alto: 1/5 segundo. Já na segunda foto foi usado um valor relativamente alto de ISO - ISO 400 - no entanto, o tempo de exposição foi 8 vezes menor: 1/40 segundo. Dica: aproxime o rosto do monitor para perceber a diferença entre as imagens



 

 ISO baixo: 50, tempo de exposição maior: 1/5 > Imagem livre de noise 







 



ISO alto: 400, tempo de exposição menor: 1/40 > Noise aparece e prejudica a qualidade da imagem.

 


Ambas as fotos tem uma exposição correta, ou seja, a quantidade de luz que está registrada nas fotos é a ideal (nem subexposta, nem superexposta). O que mudou de uma foto para outra foi a maneira como a luz foi obtida: ISO alto/baixo tempo de exposição - e vice-versa!

O noise fica muito mais perceptível em imagens noturnas, onde os grãos gerados por ele criam um maior contraste com áreas escuras, prejudicando a qualidade da imagem mais ainda.

Visto estes três conceitos, a questão de priorizar um ou outro dependerá exclusivamente de sua intenção e das condições na hora de tirar a foto. Depende exclusivamente do seu conhecimento sobre os resultados que cada conceito pode oferecer e decidir se o resultado oferecido é o que você realmente quer em sua foto. Só como exemplo, na explicação sobre ISO eu citei o caso de uma danceteria. Disse que o fato de as pessoas estarem se movendo impediria um alto tempo de exposição. Porém, se a sua intenção for registrar as pessoas de maneira "borrada", para transmitir a sensação de movimento, nada impede que você apoie a câmera no balcão do barman e bata suas fotos. Depende de você, e exclusivamente de você, definir a sua intenção ao bater a foto e as configurações dos valores da câmera, para consegur registrar a foto de maneira que a mesma passe a sua mensagem, o seu ponto de vista.

Agora vem a pergunta que não quer calar: Porque eu vou ficar me preocupando com tudo isto se eu posso colocar minha câmera no modo automático e deixar ela fazer todo o trabalho sozinha?

Resposta (pessoal): As câmeras digitais possuem um dispositivo chamado fotômetro embutido. Fotômetro é o dispositivo que mede as condições de luz do ambiente e determina os valores de tempo de exposição, abertura do diafragma e ISO. No entanto, antes de tudo, a câmera não deixa de ser um computador, que recebe estas informações e as processa através de equações pré-determinadas. Porém, este programa não lê a mente do fotógrafo, o programa não sabe qual a intenção do fotógrafo ao bater a foto. Como visto acima, os ajustes destas variáves são tão importantes quanto o assunto da foto. Uma simples mudança nestes valores pode fazer um mesmo assunto ser fotografado de maneiras totalmente diferentes, mudando totalmente a foto e a mensagem que ela passa. Cabe a nós humanos, configurar a câmera com os valores para fazer com que a fotografia seja registrada de maneira a passar a mensagem que temos em mente na hora de bater a foto. Veja bem, não estou dizendo que uma foto no modo automático não seja boa, fotos no modo automático podem revelar-se muito boas sim, mas como o próprio nome diz, elas são simplesmente automáticas, nada mais.


Christian Matsuy
tecno@globalexchange.com.br

Christian Matsuy é técnico em informática e editor de tecnologia do GEx

Links de interesse

Guilherme in Deutschland
http://www.dpreview.com
http://www.steves-digicams.com
http://www.imaging-resource.com
http://www.powershot.com/powershot2...ison/index.html
http://www.sonystyle.com/is-bin/INT...IDigitalCameras
http://www.pbase.com/cameras

 

Especiais GEx

Especiais GEx

 
   
 
© 2019 Global Exchange. Todos os direitos reservados.