21 de julho de 2018 Home | Conte sua história | Cadastre-se | Sobre nós | Fale Conosco | Anuncie aqui
 
 
Voltar para a home do GEx
twitterFacebook    Editorial GEx
pesquisar
 
   
 
Sustainable Cities
 
 
Postado em 2/7/2005

Green Cities, and Hanging Fruits.

Usa-se muito em inglês as palavras "hanging fruits" para se dizer que as oportunidades mais fáceis estão à mão. Certamente, nos dias de hoje podemos definitivamente afirmar que as desejáveis "Green Cities" não são "hanging fruits", mas sim um enorme desafio para a Humanidade.

No mês passado em São Francisco, comemorando o dia mundial do meio ambiente, uma série de prefeitos de grandes metrópoles mundias, reuniram-se e estabeleceram um novo pacto. Este pacto denominado de "Urban Environmental Accords (UEA)" dá um alento, mesmo para os mais céticos, de que ainda é possível lutar para transformar os espaços urbanos em ambientes social e ambientalmente melhores.

O "Urban Environmental Accords" trata de questões da sustentabilidade das cidades como a Energia, Redução de Resíduos Sólidos, Planejamento Urbano, Reabilitação dos Centros Urbanos, Transporte Público, Saúde Ambiental e Água.

Ao todo são 21 ações que os signatários se comprometem a cumprir, de forma a atingir o maior índice possível de desempenho.

A Visão e Implementação do "Urban Environmental Accords"que compreende metas para cada uma das 21 ações está organizada por temas ambientais urbanos, como os supra citados. Eles são os passos necessários para a sustentabilidade ambiental das grandes cidades. De qualquer forma, as cidades terão de melhorar gradualmente os seus desempenhos em todas as áreas temáticas.

Para a implementação do "Urban Environmental Accords" será necessário um diálogo aberto, transparente e participativo entre o governo, grupos comunitários, empresários , comunidade acadêmica e outra partes interessadas.

As ações definidas no "Urban Environmental Accords" resultarão em redução de custos em decorrência da diminuição do consumo de recursos e melhoria da saúde e do bem estar dos residentes das cidades signatárias.

Entre a data do compromisso firmado em 5 de Junho de 2005 e o Dia do Meio Ambiente de 2012, as cidades deverão trabalhar para implementar quantas das 21 ações forem possíveis.

A idéia básica é que cada cidade tome como meta 3 ações a cada ano. De forma a reconhecer o avanço das cidades na implementação do UEA, um programa denominado de Estrela Verde ("Green Star"),  será criado e ao final dos primeiros sete anos as cidades passarão a ser classificadas a partir do número de ações que forem implementadas.

Cidades com  8 a 11 ações implementadas, serão reconhecidas como uma cidade de 1 estrela verde, de 12 a 17 ações 2 estrelas verdes, 15 a 18 ações de 3 estrelas verdes e as cidades que tiverem implementadas de 19 a 21 ações serão consideradas as cidades de 4 estrelas verdes.

Estas classificações certamente proporcionarão uma maior atratividade aos investimentos externos diretos a estes municípios e ao turismo, mas terá nos seus cidadãos residentes os maiores beneficiários.

Recentemente a revista VEJA publicou uma reportagem sobre as cidades mais poluídas e mais limpas do mundo. Na lista das mais poluídas encabeçada pela cidade do México está a cidade de São Paulo, ocupando a sexta posição e tendo outras companheiras como Pequim (China), Cairo (Egito), Jacarta (Indonésia), Los Angeles (EUA) e Moscou (Rússia) completando a lista. Assim sendo pode-se verificar que o nível de desenvolvimento ou o continente não são fatores determinantes para que as cidades se tornem as mais poluídas.

Por outro lado, as cidades mais limpas foram listadas, como Calgary (Canadá), Honolulu (Havaí, EUA), Helsinque (Finlândia), Katsuyama (Japão), Ottawa (Canadá), Minneapolis (EUA), Montreal (Canadá), Atlanta (EUA), Boston (EUA) e Vancouver (Canadá), todas estas do Hemisfério Norte e 4 cidades canadenses. Está claro, que o compromisso político para com a Agenda 21 e a Sustentabilidade são fatores determinantes na melhoria da qualidade de vida das cidades.

Neste turbilhão do ceticismo político que nos assombra recentemente, revelado pelo enorme índice de corrupção do sistema público e a conivência com o setor privado, resta, como disse Caetano Veloso, que a nossa sociedade estabeleça o basta e possa tirar do governo quem ela escolheu e que não correspondeu  às expectativas. As "Cidades Verdes" podem sim ser "hanging fruits" se a vontade única e exclusiva dos seus cidadãos assim determinar. O nosso solo é fértil, o clima generoso, os brasileiros criativos, desta forma, só colheremos esses frutos se cuidarmos da nossa árvore chamada BRASIL!

 

Eugenio Singer  
Eugenio Singer é empresário e engenheiro ambiental e escreve periodicamente para o Global Exchange sobre ecologia e desenvolvimento de cidades sustentáveis

Artigos relacionados

Quem é Eugenio Singer
Você faz a diferença!
O seu impacto sobre as mudanças climáticas
Boulevard Social: A nova face das cidades sustentáveis
Riscos nas Cidades
A Indústria e as Cidades Sustentáveis
Virtuópolis: A Nossa Cidade do Futuro
Brasil - O maior PIB do mundo

Links de interesse

Instituto Pharos - Em Defesa do Oceano

 


Especiais GEx

Especiais GEx

 
   
 
© 2018 Global Exchange. Todos os direitos reservados.